sábado, 19 de março de 2016

HELENIZE HENRIQUES DE FREITAS



Helenize Henriques de Freitas, nossa Belê !
          Na 4ª edição do Jornal No Giro da Bola, na coluna Arquivo Medina, resumimos o que foi a brilhante e vitoriosa carreira de Helenize de Frreitas. Neste espaço, além de reproduzirmos a metéria da 4ª edição, destacaremos fotos e textos de Jornais que contam esta rica história.
       ... Continuando nosso “flashback do esporte” destacamos mais um exemplo de talento, competência e sucesso. Helenize pertence a uma família onde o talento esportivo impera, pois, é sobrinha de Heleno de Freitas e prima do ex-jogador de vôlei Bebeto de Freitas. Mas, foi na piscina que Helenize, inicialmente, se destacou. Por algum tempo dividiu suas atenções entre o vôlei e a natação. E foi jogando pelo Mangueira que, aos 16 para 17 anos, conquistou o título de campeã brasileira pelo “six” mineiro. Em seguida a Federação Mineira de Volei oficiou o Mangueira convocando Helenize para integrar o elenco que representaria o Brasil no Sul Americano da Argentina. Suas atuações despertaram o interesse dos grandes clubes da capital. Minas Tênis Clube de Belo Horizonte foi o seu primeiro destino, permanecendo um ano nesta equipe. Na sequência, a convocação para a Seleção Mineira Adulta.          
          Entre 1967 e 1970 defendeu o Mackenzie de Belo Horizonte. Neste período já fazia parte do seleto grupo de atletas que defendiam a Seleção Brasileira de Vôlei Feminino, onde foi a capitã da equipe por muitos anos. Representou o Brasil em três edições dos Jogos Pan Americano: Winnipeg – Canadá 1967 – classificação: 4º lugar; Cali – Colômbia 1971 – classificação: 4º lugar e México 1975 – classificação: 5º lugar.
“ Tive muitos momentos marcantes na minha carreira. Um deles foi vencer as Peruanas no Sul Americano da Venezuela em 1971 e conquistar o título.”
Matéria de um dos Jornais da Venezuela após a conquista do título: HELENIZE A MELHOR!
A estrela do Brasil: Sem dúvida alguma o nome de Helenize de Freitas (Nº4) do Brasil ficará guardado por muito tempo na mente dos assistentes do jogo que a equipe de seu país ganhou das peruanas na noite de sábado passado. O que esta menina fez na quadra, eu não vi nada igual em todo campeonato. Possuidora de uma condição física extraordinária, Helenize transformou-se em grande obstáculo para equipe peruana, tanto em sua ação defensiva quanto ofensiva. PONTO!!
O público delirava toda vez que ela sobia à rede para efetuar um ponto, pois, mais que uma fera febril, mostrava a altivez de sua origem. Inúteis foram os esforços das peruanas para conter aquela fúria do esporte chamada Helenize...” Tradução: Nei Medina.
No Brasil, uma das manchetes foi a seguinte: A consagração no exterior – Helenize revive no vôlei as glórias do seu tio Heleno no futebol!
“Outro momento mágico que vivi foi na Rússia, Universíade em 1975. Vencemos as cubanas pelo placar de 3x1. O que mais me marcou, foi o fato de ter sido esta a primeira vez que o Brasil venceu Cuba no vôlei feminino. De quebra, ganhei o troféu de terceira melhor do mundo.
Episódio Legal: “O fato é legal porque eu joguei no time do Japão. Como Brasil e Japão era sempre 15x0, 15x0 e 15x1, depois as meninas faziam um jogo entre elas. Só que uma estava machucada (foi no Minas Tênis Clube), e quem foi escolhida para jogar? “Euzinha” aqui. Então, elas só jogavam bola pra mim. Por fim eu fiz um gesto de cansada porque elas estavam me matando, querendo agradar a torcida brasileira. Aí, no outro dia, saiu uma manchete enorme no Jornal: Helenize joga para Minas como Pelé jogou para o Rei da Suécia. Eu já procurei esta matéria mas não encontrei. Bom, depois do jogo, entra desgovernado no vestiário aquele técnico japonês. Todo mundo se cobrindo, e ele queria falar comigo e perguntar que tipo de treinamento eu fiz para saltar tanto. Aí eu falei para intérprete: Eu vou te falar, mas você inventa o que quiser, porque ele não vai acreditar. Eu saltava córrego para “roubar” fruta no vizinho; brincava de pique esconde na piscina verde do Mangueira e brincava de pique na cidade inteira. Parecia um macaco em cima de um pé de manga... Esse era o meu treinamento. Agora, você fala o que você quiser, porque ele vai achar que eu sou doida. Ou você que estará falando pra ele.” Terminando com uma gostosa risada. Helenize foi eleita por muitos anos como a melhor jogadora de vôlei do Brasil. Portanto, até hoje, é lembrada por toda imprensa brasileira.
          Nossa campeã continua em atividade. Ano passado, jogando pelo Mackenzie de Belo Horizonte, conquistou no Rio de Janeiro o título de campeã brasileira categoria 65+.
REGISTROS EM FOTOS E TEXTOS; CLIC NOS ARQUIVOS PARA AMPLIAR.
            MELHOR DE MINAS



 ENTREVISTA PARA MARCELO GOMES ESPN BRASIL




 COM BEBETO DE FREITAS

 AO LADO DE DARIO, PROCÓPIO, TOSTÃO ...

 CONCEDENDO ENTREVISTA ALUNAS PEDAGOGIA UF BARBACENA



MÁSTER MAKIENZE

1ª CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO MINEIRA




TREINANDO COM AS JAPONESAS. ASSISTA.

 
Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!

Um comentário:

  1. EXcelente matéria, parabéns pelo trabalho.
    Seria interessante conseguir mais depoimentos, inclusive de sua história no Mangueira.
    Sucessos
    Cezar / Salinas

    ResponderExcluir