domingo, 15 de fevereiro de 2015

MANOEL SATURNINO DA SILVA, O NECA

CLIC NAS FOTOS PARA AMPLIAR
Nascido em São João Nepomuceno, no dia 02 de abril de 1914, Neca teve 12 filhos. Do primeiro matrimônio, José Luiz e Olívia Maria. Depois, casou-se com Ernestina de Oliveira Silva e teve mais dez: Saulo, Simão, Estevão, Tiago, André, Débora, Betânia, Macedônia, Junia e +Sarah.
Atleta de estilo e rara categoria, jogava com elegância no intuito de agradar o torcedor. Neca atuou pelo Botafogo, Mangueira e Operário. No início da década de 40 foi jogador de futebol profissional do Bangu Atlético Clube do Rio de Janeiro. Após se desligar do time de Moça Bonita, especializou-se na arte de pintar paredes. Era requisitado pela alta sociedade Carioca,  tal sua habilidade e perfeição no acabamento com pinturas.

Devido o cuidado com a saúde, Neca prolongou sua participação no futebol. Tanto é que, no final dos anos 40, Dr. Mário Zágari resolve trazê-lo para reforçar o time Baeta.
Heber, Moacir Delgado, Egon, Neca Beraldo e Deco Mendes.
 Fato engraçado
Conversando com Paulo Gotti ele relatou o seguinte: “Lá pelo início dos anos 50,  Dr. Mário Zágari cansado de perder para times de Rio Novo( Botafogo, Operário e Mangueira encontravam dificuldades contra os times Rionovenses ), e, também, na intenção de incrementar o futebol de São João, trouxe de volta o Neca Beraldo que seria um reforço e tanto para o time Baeta. Neste mesmo período, o 15 de Novembro de Rio Novo tinha um ponta esquerda de nome ou apelido Gegeno. Ele era funcionário do Estado e, nas horas de folga,  levava pães de Rio Novo para o comércio de Furtado de Campo. Pois bem! Jogo marcado na cidade de Rio Novo para 15 de Novembro e Mangueira. O primeiro tempo mostrava um jogo equilibrado até que Neca, estrela principal do Mangueira, passou por dois adversários e fez o gol. Na comemoração passou pelo Gegeno e disse: “ Manoel Saturnino da Silva, o Neca, Mangueira 1 a zero.” Gegeno, humilde, ouviu calado.
Recomeçado o jogo, não demorou muito para o 15 de Novembro empatar. Gegeno pegou a bola e, também, driblou dois ou três, entrou na área do Mangueira e fez um golaço. Após o gol, Gegeno voltava para nova saída de bola quando passou pelo do Neca e disse: “Gegeno, entregador de pão Rio Novo/Furtado de Campo; 1 a 1.” Paulo Gotti.
Fã da nobre arte, o boxe, Neca gostava de simular golpes de direita e esquerda, com cruzados, jeb, diretos e ganchos. “ Olha a cutelada hein!” Referindo-se a uma cotovelada... Sempre terminava as frases verificando se estávamos entendendo o que ele falava: “ compreende?
Raimundo Afonso, o Macu, conviveu com ele no tempo das peladas na quadra do Mangueira e, também, nos treinos de boxe na casa do Neca.
“O Neca levava eu e o Claudinho Manzo para treinar boxe na casa dele. O Simão e o Saulo também participavam. De luvas, o Neca soltava o braço.
Um dia, o Neca deu uma no Claudinho que caiu meio desacordado e o sangue escorreu. Aí eu gritei: O Claudinho morreu! O Neca foi lá dentro, trouxe um balde d’agua e jogou na cara dele dizendo: Morreu não! O Claudinho levantou meio “zonzo”. Eu saí correndo, pulei a janela, e até hoje não voltei lá.” Finalizou Macu dando gargalhadas.
Desculpem mas não sei o nome de todos. Só conheci o Dr. Renê Mendonça(2º agachado da esquerda para direita) e o Neca( o 4º agachado da esquerda para direita)
O Neca era muito brincalhão e nervoso também. Sabendo disso, a turma aproveitava. Ílio da Silva Pinto, o colero, também tem um “causo”
“Foi um Mangueira e Botafogo no antigo campo atrás da Igreja Matriz. Eu jogava pelo Botafogo e o Neca, já estava em final de carreira, jogava pelo Mangueira. Nilo, filho do Nilo Rocha, jogava do seu lado. O goleiro do Mangueira chutou uma bola para frente. O Nilo saltou e não conseguiu alcançá-la. Ela passou e quando o Neca ameaçou ir na bola eu puxei de calcanhar e disse: Sai pra lá “negão”! Você é bananeira que já deu cacho. Ele ficou muito bravo e me procurou o jogo todo para me dar um sacode.” Terminou sorrindo.
Operário Futebol clube - Pepé, Schimith, Tuca, neca e Gabriel
Obrigado aos amigos Paulo Gotti, Raimundo Afonso e Colero pela colaboração nos “causos”. Também ao amigo/irmão Eduardo Ayupe pelas fotos que ilustram este blog e Junia Malta da Silva pelas informações sobre seu Pai.
Teófilo Barbosa, Cacau, Edalmo Pimentel, Bimba, Lelé, Heleno”Preto”, Gregório e Carradinha.
Agachados: Braz”Peru”, Floretinho, Neca, Gabriel e Wanderlei.
Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!

4 comentários:

  1. Meu pai Manoel Saturnino,
    É um orgulho de ver a matéria que nosso querido Amigo Nei Medina publicou sobre sua vida e do homem honrado que ele foi.Um grande exemplo pra nós que somos filho.E pros amigos uma grande lembraça,Obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, espetacular, tanto esta como todas as outras matérias que contam a história do futebol de SJN, futebol este que não existe mais com charme e história como no passado.Estou gostando e esperando mais novidades como Bezerra, Claudinho Manzo, Totonho, Zim Caieira, etc, etc etc, porque tem muitos nomes e também uma história dos clubes, porque não, clubes estes que estão sendo esquecidos.
    Cezar

    ResponderExcluir
  3. Daqui a exatamente três anos o Mangueira completa seu centenário, será que os desportistas da cidade, o poder publico, a imprensa vão deixar passar em branco?
    Cezar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Junia e Cezar!!! Também já escrevemos sobre o Claudinho e o Zim... Ótima lembrança sobre o Mangueira. Ficaremos atentos. Abração.

      Excluir