sábado, 27 de novembro de 2010

CRUZEIRO = SÃO JOÃO NEPOMUCENO-MG

Talvez, São João Nepomuceno na Zona da Mata Mineira, seja a única cidade do Brasil, com menos de 30.000 habitantes, que cedeu mais jogadores para o time celeste. Em 1968 o Piorra esteve por lá (depois sagrou-se o 1º campeão da série B do campeonato brasileiro pelo Vila Nova-MG 1971).

Em 1986, ainda como goleiro do América-MG, Wellington Fajardo foi considerado o melhor goleiro do campeonato Mineiro e ganhou o Troféu Guará, depois Wellington defendeu as cores do Cruzeiro.



Também em 1986, Adil, o nosso Nica, esteve na Toca da Raposa. Na foto abaixo, jogando contra o Bahia, recebe a marcação do lateral Zanata.



Zé Luiz é outro atleta a defender o Cruzeiro, sendo artilheiro em todas as competições que dispoutou nas categorias de base. Em 1986 também era jogador profissional do Cruzeiro. Na foto abaixo, ainda na categoria de juniores, agachado, é o 3º da esquerda para direita.



Pablo foi o último reforço do Cruzeiro para o campeonato brasileiro de 2010. Depois de passar pelo Vasco, Zaragoza e Málaga, Pablo busca a sorte e é mais um representante no clube da Toca da Raposa.



E mais recente, na categoria Mirim está o Maicon. Artilheiro dos bons, é olhado com muito carinho pelos dirigentes do Cruzeiro. Já já teremos excelentes notícias a seu respeito.


Até a próxima se Deus quiser.

sábado, 13 de novembro de 2010

ÂNGELO RIGOLON - NO GIRO DA BOLA




Para quem não teve a oportunidade de ler o Jornal Voz de São João (edição do dia 13 de novembro), abaixo, estamos postando a entrevista, na integra, do ex-craque de futebol, o talentoso Ângelo Rigolon. Campeão da Zona da Mata Mineira,em 1978, defendo o Operário Futebol Clube, Anginho fala de momentos que marcaram sua vida.


CONVERSA DE BOLEIRO

Nome: Ângelo Augusto Rigolon
Apelido: Anginho
Casado com Maria Castro Freitas com quem tem dois filhos: Isaque e Gabriela(13 e 7 anos). Além do Moisés (19 anos) do primeiro casamento.
Filiação: Augusto Ângelo Rigolon e Leontina Alves de Castro
Local e data de nascimento: São João Nepomuceno, 14 de abril de 1949.

NGB – Começou a jogar em qual time e com que idade?
Anginho – No infantil do Botafogo, com 7 anos, sob o comando do já saudoso Netinho Soares. Detalhe: descalço, pois não tinha chuteiras.
NGB – Qual era sua posição?
Anginho – Atuava em todas. Eu queria era jogar. Mas fiz mais sucesso pela meia-direita
NGB – Qual foi seu melhor técnico?
Anginho – Tive bons treinadores, mas o Netinho Soares deixou saudades.
NGB – Havia treino durante a semana?
Anginho - Terça e quinta, também aos domingos quando não tinha jogo.
NGB – Qual seu melhor dirigente?
Anginho – Odoni Pavanelli, Hildefonso e José Carlos Santiago.
NGB – Qual o melhor jogador de sua época? Pode ser um ou mais.
Anginho - Zé Tumbuta, Louro, Duda e Zim Caeira .
NGB - Em quais clubes atuou?
Anginho - Mangueira, Botafogo, Operário, Manufatora de Cataguases ...
NGB - Quantos títulos conquistou?
Anginho - 10 a 12 títulos.
NGB – Campeão da Zona da Mata em 1978 foi o mais importante?
Anginho - Sim, marcou muito. Na na decisão, contra o Leopoldina de Bicas, marquei um gol que vou lembrar pro resto da minha vida. Também, dei o passe para o Weber marcar o outro.
NGB - Qual o melhor árbitro de sua época?
Anginho - Silveirinha.
NGB - Compare o futebol de hoje com o período em que jogou.
Anginho - Hoje o futebol é mais força física. Na minha época os mais talentosos se destacavam.
NGB - Como era a relação dos torcedores com os atletas?
Anginho - Ótima, mas cobravam muito. Eles acompanhavam até os treinamentos
NGB - Qual o melhor adversário que enfrentou fora de São João?
Anginho - Ribeiro Junqueira de Leopoldina. No campeonato da Zona da Mata 78, vencemos por 1 a 0 gol do Samaroni.
NGB – E qual o adversário que sempre incomodou?
Anginho - XV de Novembro de Rio Novo, mas os campos, ainda, eram os piores adversários.

*** NGB – No Giro da Bola.




Time do Operário, campeão da Zona da Mata Mineira em 1978.
De pé: Ademir(da lalá), Deco(casarão), Boti, Lema, Maurício"blunel" e Wellington Itaboray.
Agachados: Anginho, José Carlos"orelhinha", Weber, Zinho"caeira" e César.

domingo, 7 de novembro de 2010

51 ANOS SEM O CRAQUE GALÃ - HELENO DE FREITAS



Nascido em São João Nepomuceno no dia 12 de fevereiro de 1920, Heleno de Freitas faleceu em 08 de novembro de 1959. Portanto, neste 08 de novembro de 2010 estamnos completando 51 anos sem o "galã de chuteiras".
Craque, mito, técnico, habilidoso, craque galã... Inúmeros foram os adjetivos dados ao nosso conterrãneo mais ilustre. Jogador do Botafogo-RJ entre os anos de 1940 e 1947, Heleno nunca foi campeão vestindo a camisa alvinegra. Estreou em 28 de abril de 1940, em São Januário, entrando no intervalo do jogo para substituir Carvalho Leite, o maior artilheiro do Botafogo de todos os tempos. O jogo contra o São Cristóvão estava zero a zero e treminou 2 a zero para o Fogão com 2 gols do Heleno.
Em 1944, era o capitão da equipe e o principal jogador do Clube da Estrela Solitária. Neste mesmo ano, teve sua 1ª convocação para seleção brasileira. Também em 44, participou da histórica partida em que o Glorioso venceu o Flamengo pelo placar de 5 a 2. Heleno marcou 2 gols neste jogo (10/09/1944), que ficou conhecido como o JOGO DO SENTA(jogo do senta, porque o jogo foi encerrado aos 31’ do 2° tempo, por causa dos protestos dos jogadores do Flamengo após o quinto gol do Botafogo marcado por Geninho. Os jogadores rubro-negros acreditavam que a bola não entrara e sentaram em campo). E a torcida do Botafogo gritava: "senta para não perder de mais".
Em 1945 disputou o Sul Americano em Santiago do Chile. O Brasil não foi campeão, mas Heleno foi o artilheiro do Brasil num ataque poderoso que contava, além do Heleno, com: Tesourinha (Inter-RS), Zizinho (Flamengo), Jair da Rossa Pinto e Ademir de Meneses (ambos do Vasco da Gama).
Voltou a se destacar no Sul Americano da Argentina(1946). Na maior transação financeira envolvendo um jogador de futebol até aquela data, em 1948, Heleno foi vendido ao Boca Juniors da Argentina. Sua estréia foi em junho de 1948, na oitava rodada do campeonato Argentino. O Boca venceu o Banfield Atletico Clube por 3 a zero e Heleno marcou 2 gols. Ao final da partida os torcedores ao invés de gritar boca, boca, boca, gritava Heleno, Heleno, Heleno.
Em 1949, volta ao Brasil para ser campeão carioca pelo Vasco da Gama, no famoso "Expresso da Vitória". Em 1950 defende o Atlético Júnior Barrranquilla da Colômbia.
Retorna ao Brasil em 1951 para fazer um único treino no Santos e posteriormente ser contratado pelo América-RJ. Estreou no "Mequinha" em 04 de novembro de 1951 contra o São Cristóvão. A América perdeu por 3 a 1, e foi a 1ª e última vez que Heleno vestiu a camisa do América; e também, a 1ª e única vez que pisou no gramado do maracanã como jogador profissional.

"HELENO DE FREITAS FOI MEU MAIOR ÍDOLO, MESMO NUNCA TÊ-LO VISTO JOGAR". Márcio Guedes - Jornalista.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

ORQUESTRA ELDORADO - ORGULHO DA GARBOSA



Bons tempos! Bailes com orquestras; espetaculares orquestras. Aqui em São João Nepomuceno, a Orquestra Eldorado iniciou suas atividades nos anos 40. Meu Tio, João Baptista Furlan, músico, arranjador e pistonistas dos melhores, começou sua carreira na na Orquestra Eldorado no início dos anos 50 com apenas 17 anos. Orgulhoso, me conta muitas histórias relacionadas à Orquestra. Diz que na antiga linha férrea, de Ponte Nova ao Rio de Janeiro, a Orquestra tocou em praticamente todas as cidades. Além do Carangola Tênis Club, Petropolitano, Hotel Quitandinha, São Paulo, Uberlândia...
Um fato marcante foi se apresentar(anos 50) no Petropolitano, sábado de carnaval. A capital da República era o Rio de Janeiro, e nesta época, era costume fazer 4 bailes de Gala: sábado no Petropolitano; domingo no Hotel Glória; segunda no Hotel Quitandinha e finalmente na terça no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
Isso mesmo! Uma Orquestra de São João Nepomuceno tocando músicas de carnaval para a elite dos Políticos e sociedade Fluminense.

Outro fato marcante mas lamentável, foi recusar o convite para se apresentar na Sede Social do Fluminense em Álvaro Chaves. Os compromissos agendados anteriormente impossibilitaram que o Tricolor João Furlan fechasse este contrato. A Orquestra era muito solicitada.

Em resumo, com Heleno de Freitas, Alírio Guazi(Fluminense), Helenize de Freitas(Makienze e Seleção Brasileira de Volei),Rubens Paixão (treinador de Futsal - Grajaú e Seleção Carioca), Piorra, Simão, Wellington Fajardo, Adil(Corinthians), Ayupe(Vasco), Zé Luiz(Cruzeiro), Herilene de Freitas (natação), Emmerson Nogueira, Ricardo Itaboray, Pablo(Cruzeiro), Ricardo Sporch(bicicross), Osni Júnior(motocross) e tantos outros, antes de todos estes, a Orquestra Eldorado tocava, cantava e encantava milhares de brasileiros.

Na foto que ilustra este blog vemos: rui Barbosa na sanfona; José do Baixo no baixo, Sr. Jura e João Furlan no Sax, Noé e José Carlos Furlan no Piston, João "mamão" Erasmo no trombone, Pisca no violão, entre outros.

Clique na foto e veja em tamanho maior.

Até a próxima com a Graça de Deus.

COM A GRAÇA DE DEUS, EM BREVE ESTAREMOS NO CENTENÁRIO JORNAL VOZ DE SÃO JOÃO.