segunda-feira, 26 de julho de 2010

MANO MENEZES - Estão voltando as flores?



É claro que ainda estamos longe de voltarmos a ter uma Seleção DO Brasil, e confesso, também não acredito que voltaremos, mas a convocação do novo técnico da seleção, Mano Menezes, já deixou o torcedor mais animado.
Como mostra a foto acima, somente o Falcão jogava em time do exterior. Valdir Peres, Oscar e Serginho “chulapa” – São Paulo; Leandro, Júnior e Zico – Flamengo; Luisinho, Toninho Cerezo e Eder – Atlético Mineiro; Sócrates – Corinthians.

Esta primeira convocação, que aconteceu hoje, dia 26 de julho, tem muitos jogadores que atuam no Brasil. Não que eu seja “saudosista”, mas sou do tempo que ficávamos atentos as convocações na esperança da lista ter jogadores de nossos times, em especial do meu Botafogo. E com você, amigo leitor, tenho a certeza, que não era diferente.

Quem acompanha este blog ou a coluna de esporte NO GIRO DA BOLA – www.sjonline.com.br – e o www.descobertonet.com.br, sabe que venho defendendo esse tipo de convocação, ou seja, prestigiando jogadores que atuam nos times do Brasil. Sabemos que é impossível ter a convocação de 100% dos atletas que atuam por aqui, mas a iniciativa do Mano deixa uma pontinha de esperança de novos dias para a Seleção Brasileira.

Outro ponto que venho destacando é a preocupação com o entrosamento. Em 1958, no time que venceu a Suécia pelo placar de 5 a 2, quatro jogadores atuavam no time titular do Botafogo ( Nilton Santos, Garrincha, Didi e Zagallo ). Na vitória do Brasil sobre a Tchecoslováquia na final da Copa do Mundo de 62, o time titular do Brasil tinha três do Santos ( Gilmar, Mauro e Zito ) e cinco do Botafogo ( Nilton Santos, Garrincha, Didi, Amarildo e Zagallo ).
Na Copa da África a Espanha chegou a atuar com sete titulares que jogam juntos no Barcelona. A Alemanha teve seis atletas do Bayer de Munique.

Seguindo esta linha, nesta primeira convocação da era Mano Menezes, foram convocados quatro jogadores do Santos, são eles: Robinho, Ganso, Neymar e André.

A LISTA DE MANO MENEZES

Goleiros
Renan-Avaí Jefferson-Botafogo Victor-Grêmio
Laterais
Rafael-M. United Marcelo-Real Madrid André Santos-Fenerbahçe Daniel Alves-Barcelona
Zagueiros
David Luiz-Benfica Henrique-Racing Rever-Atlético-MG Thiago Silva-Milan
Meias
Éderson-Lyon Carlos Eduardo-Hoffenheim Hernanes-São Paulo Sandro-Internacional Paulo Henrique Ganso-Santos Lucas-Liverpool Jucilei-Corinthians Ramires-Benfica
Atacantes
Robinho-Santos Neymar-Santos Alexandre Pato-Milan André-Santos Diego Tardelli-Atlético-MG.

Aquele abraço e até a próxima.

sábado, 24 de julho de 2010

MURICY, DECISÃO CERTA OU ERRADA?




Qual técnico de futebol recusaria um convite para dirigir a Seleção Brasileira? Ainda existem homens de ”palavra” neste Brasil. O técnico de futebol Muricy Ramalho é um deles. Sempre honrando seus compromissos até o final, deu sua palavra ao Fluminense e recusou o convite feito pelo presidente da CBF, o Sr. Ricardo Teixeira, para dirigir a Seleção Brasileira. Atualmente o Fluminense é o líder do campeonato com 22 pontos. Em 10 jogos conquistou 7 vitórias, 1 empate e duas derrotas.

Com certeza, o sonho de qualquer profissional é chegar a Seleção Brasileira; o do Muricy não é diferente. Mas prevaleceu o caráter do homem Muricy que, sempre honrou seus contratos até o seu término. O Fluminense, por sua vez, aproveitou para renovar-prorrogar o contrato do Muricy até o final de 2012.

Espero que o Muricy tenha triplicado a multa contratual no caso de o Clube das Laranjeiras demiti-lo, pois, em qualquer clube do mundo, principalmente do Brasil, basta uma seqüência 5 ou 6 resultados negativos para que o técnico tenha seu contrato rescindido pelo clube.

Na foto acima vemos um caloroso aperto de mão entre o técnico Muricy e o presidente do Fluminense Roberto Horcades. O mesmo aperto de mão cumprimentando o Muricy pela decisão de ficar no Fluminense, também, será o mesmo na hora de dizer que infelizmente não dá mais.

Boa sorte Muricy Ramalho.

Até a próxima!

Acesse www.sjonline.com.br e leia a coluna de esportes NO GIRO DA BOLA com Nei Medina.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

OLAIR ZENIR LEITE



Morreu nesta quarta-feira, dia 21, aos 76 anos, “Dr. Olair Zenir Leite”. O velório será realizado no Cemitério do Caju, no Rio de Janeiro, onde o corpo será sepultado.
Dr. Olair passou boa parte de sua vida aqui em São João. Em sua juventude defendeu as cores do Operário Futebol Clube. Na foto acima, tirada em 1954, estão: de pé: Gregório, Tininho, Acrísio, Guti, Deacir e Ribita. Agachados: Pulilin (massagista), OLAIR, Jair, Pepé, Gabriel (meu pai) e Roque.

Homem competente e de ótimo coração, teve vida profissional brilhante! Como vice-presidente do Banco Nacional S/A. ajudou inúmeras pessoas de nossa cidade, encaminhando-os para o quadro de funcionários do banco, gerando centenas de empregos, onde os beneficiados puderam ajudar suas famílias. Nos anos 90, foi convidado por seu amigo e então governador de Brasília, José Aparecido, para ocupar o honroso cargo de Presidente do BRB-Banco Regional de Brasília de onde continuou a ajudar as pessoas.

Com certeza, agora será homenageado pelas autoridades de São João Nepomuceno com Título de Honra ao Mérito e, talvez, nome de logradouro público (rua, avenida...). Vale ressaltar que, Título de Honra ao Mérito o nosso saudoso e querido “Dr. Olair” já poderia ter recebido, pois, no início dos anos 2.000, quando a Câmara Municipal ainda contava com 13 Vereadores, seu nome foi indicado, juntamente com a Drª Lúcia Cavalheiro para, na semana das comemorações do dia do Município, receber o Título de Honra ao Mérito do Legislativo. Infelizmente, para surpresa de toda comunidade Sãojoanense, os nomes do Dr. Olair Zenir Leite e da Drª Lúcia Cavalheiro foram reprovados pela maioria dos Vereadores que ocupavam, temporariamente, as cadeiras daquela conceituada Casa de Leis. Com certeza, a maioria, desconhecia a linda história de vida de ambos os indicados ao Título de Honra ao Mérito do Legislativo.

Bem, vida que segue!

Fica aqui meus sentimentos e que Deus conforte os familiares do Dr. Olair, que aprendi a admirar e respeitar.

Até a próxima se Deus quiser.

terça-feira, 20 de julho de 2010

MARCELO LOMBA E UM SONHO REALIZADO.

Realmente, precisamos acreditar nos nossos sonhos. Você acredita que o seu possa se realizar?
Pois, o sonho do Marcelo Lomba, goleiro titular do Flamengo, está acontecendo. Tudo começou no futebol de praia, no bairro de Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro, onde foi criado. Jogava na linha, como atacante, e chegou a ser artilheiro no futebol de areia. Mas a paixão dele era o gol. Em todas as partidas, sempre pedia para agarrar. E foi aí que tomou gosto pelas luvas. Jogando nas quadras pela Hebraica, aos 11 anos foi parar nos gramados do CFZ, onde se destacou.
A partir daí, o goleiro, que já era uma das grandes promessas da sua geração, atraiu a atenção do Flamengo. Aos 13, observado por um conselheiro do clube, o goleiro foi levado para fazer um teste no Rubro-Negro carioca, de onde não saiu mais. Já no time da Gávea, o jovem atleta teve oportunidade nas Seleções Brasileiras Sub-15 e Sub-17.
Acreditem! Ao subir para o elenco profissional, Marcelo Lomba ficou apenas como a quarta opção. A chance da titularidade viria num momento difícil para o clube. Depois da polêmica que envolveu Bruno, ele agarrou a oportunidade e espera se firmar.
E Lomba viu a ficha cair justamente no jogo contra o Botafogo. Vendo a torcida pelo seu nome e ao final do jogo muitas entrevistas e ainda aparecer na TV.
__ Isso, sim, faz você ver que aquilo é verdade - explicou o goleiro de 23 anos.
Não desista dos seus sonhos. O meu é trabalhar em uma emissora de ponta, de Rádio ou TV; e o seu?
Até a próxima.

Na foto abaixo, Ruben, pai de Lomba, Zico e Marcelo Lomba no Estadual Mirim de 1999 CFZ

sábado, 17 de julho de 2010

BOTAFOGO, PARA COM ISSO!



Como a foto que ilustra este blog, uma verdadeira cachorrada.
Nesta quarta-feira, dia 14 de julho, até o rubro-negro mais otimista não acreditava que o flamengo pudesse vencer o Botafogo; visto que, o time da Gávea estava bastante desfigurado, sem o goleiro Bruno e os atacantes Adriano e Vágner Love.
Na verdade, era um jogo para afundar de vez a barca rubro-negra, mas como dizia meu saudoso Pai "se fosse o contrário - eles bem e agente mal - eles metiam uma goleada e a vaca ia pro brejo com bezerro e tudo. Infelizmente o Botafogo não consegui fazer isso. Pagou um micão ao perder para um time, psicologicamente, destroçado depois dos últimos acontecimentos, além de esvasiar o Engenhão, domingo, para o difícl compromisso contra o Guarani-SP.

Fica o alerta. Hoje, com o futebol nivelado por baixo, tecnicamente, é inadmissível um time jogar com menos três atletas. Joel Santana insiste em prestigiar jogadores como o Alessandro, um jogador que desconhece o princípio básico do futebol que o é passe. Não consegue guardar posição, portanto não sabe marcar (80% dos gols sofridos saem pelo lado direito de defesa do Botafogo), além de não conseguir acertar um ÚNICO cruzamento. Somália ou Jean Carlos, um dos dois pode substitu-i-lo; o Fahel que joga um futebol medíocre, limitando-se a tocar bola para o lado ou para trás. O Welington Júnior, recém saído das categorias de base e titular da Seleção Brasileira sub-20, seria a solução nesta posição. E o Lúcio Flávio que desde o retorno do Santos não conseguiu jogar bem. Todo time precisa de um meia de ligação que, no mínimo, pegue a bola, passe por um ou dois adversários e coloque o atacante em condições de marcar o gol. Observem que o D’Alessandro, Conca, Paulo Henrique Ganso, Carlos Alberto, Petkovic, Diego Souza ... São jogadores que fazem isso, portanto suas equipes se destacam; ao contrário do Lúcio Flávio que só dribla para os lados ou para trás. O Maicossuel resolverá este problema. Cuidado, porque o torcedor não suportará dose dupla de série B.

Até a próxima.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

ARMANDO NOGUEIRA



Hoje entendo meu amor pelo Botafogo de Futebol e Regatas.

Abaixo, texto retirado da Revista Oficial do Botafogo – Ano 1 nº 1 2010


“Afinidades eletivas, meus amigos. Coisas do coração. Mistérios da alma. Premunição, talvez, pois, no final do jogo, o Botafogo daria a volta olímpica saudando a sua torcida. Tinha goleado o Flamengo, ganhando de cinco a dois. HELENO marcara dois belos gols, um deles de cabeça. UMA TESTADA BÍBLICA!

Nascia, ali, uma simpatia de mão única, pois o Botafogo nem sabia da minha reles existência. Não sabia, nem precisa saber. O futebol é assim: desperta na pessoa um sentimento virtuoso que transcende a amizade, que vai além do amor e culmina no santo desvario da paixão. Tem de tudo um pouco, porém, é mais que tudo. Torcer por uma camisa é plena entrega. É mais que ser mãe, porque não desdobra fibra por fibra do coração. Destroça-o de uma vez no desespero de uma derrota. Em compensação, remoça-o no delírio de uma vitória.

O Botafogo tem de tudo a ver comigo: por fora, é claro-escuro, por dentro, é resplendor; o Botafogo é supersticioso, eu também sou.

O Botafogo é bem mais que um clube – é uma predestinação celestial. Seu símbolo é uma entidade divina. Feliz da criatura que tem por guia e emblema uma estrela. Por isso é que o Botafogo está sempre no caminho certo. O caminho da luz. Feliz do clube que tem por escudo uma invenção de Deus.

ESTRELA SOLITÁRIA.

O Botafogo sempre oscilou entre HELENO DE FREITAS e Garrincha: pássaro de fogo, pássaro de luz; um era a glória e tormento, o outro, humor e encantamento. HELENO era impiedoso como a ironia, que fere; Garrincha era límpido e generoso, como o riso, que conforta. Entre os dois jogadores, cujos tempos míticos se somam, e se eternizam, nasceria também para a perpetuidade alvinegra, um craque magistral.

Um dia, consumido de saudades botafoguenses, escrevi um breve poema sobre Nilton Santos. Quanta majestade no trato de uma bola! O moço jamais fez um truque com a bola. Só fazia arte. Nilton não era um jogador de futebol, era uma exclamação. Tu em campo parecias tantos / E, no entanto – que encanto -, eras um só: Nilton Santos.

O torcedor do Botafogo tem um coração repleto de memoráveis cintilações: convivem, na mesma estrela, dribles insondáveis de Garrincha, passes impressionantes de Didi, antevisões de Nilton Santos, cismas de Carlito Rocha e gols, muitos gols, de HELENO DE FREITAS, cada um mais épico que o outro.

O Botafogo sou eu mesmo, sim senhor!”

Crônica publicada no livro “A Ginga e o Jogo – Todas as emoções das melhores crônicas de Armando Nogueira”, Editora Objetiva.


Abraço a todos e até a próxima.

domingo, 11 de julho de 2010

COPA DA ÁFRICA 2010



Antes mesmo do início da Copa 2010, cronistas esportivos de todo o mundo davam a Espanha como favorita ao título. Não deu outra coisa. Em jogo fraquíssimo tecnicamente, de ambas as equipes, a Espanha sagrou-se campeã vencendo a Holanda pelo placar de um a zero.
Um torneio marcado por erros de arbitragem, muitas jogadas violentas e uma mania nacional de nome vuvuzela. Aliás, um instrumento que irritou qualquer telespectador; imaginem aos jogadores e profissionais de imprensa que estavam no local? Essa vuvuzela foi uma idéia infeliz. Um aerofone irritante que espero não ser copiado na Copa de 2014 no Brasil.
Com relação à seleção brasileira, espero que a Espanha sirva de exemplo – não só para o Brasil, mas para o resto do mundo – pois além de convocar vários jogadores de um mesmo time, escalou na partida final seis atletas do Barcelona, mostrou que nesse tipo de competição, que é muito curta, o entrosamento é peça fundamental para o sucesso. O Brasil além de não primar por essa opção, se deu o luxo de ir para a disputa do torneio sem um bom lateral esquerdo; inocentemente, manteve no time titular um volante extremamente violento e desequilibrado (Felipe Melo) e um meia de ligação fora de suas condições física e técnica (Kaká). Vale lembrar que em 1958, no jogo decisivo contra a Suécia, estavam em campo Nilton santos, Garrincha, Didi e Zagallo (Botafogo). Em 1962, contra a Tchecoslováquia, Gilmar, Mauro, Zito ( Santos ) e Nílton Santos, Garrincha, Didi, Amarildo e Zagallo ( Botafogo ). No México em 1970 o ataque do Glorioso foi convocado ( Rogério, Gérson, Roberto Miranda, Jairzinho e Paulo César Lima ). Na copa dos USA, em 1994, Jorginho, Adair, Leonardo e Zinho jogaram juntos no Flamengo.

Espero que o próximo técnico da nossa seleção não fique preocupado em convocar somente jogadores que atuam fora do País ou que tenham experiência com a “amarelinha”. O goleiro da Alemanha teve sua 1ª convocação no segundo semestre de 2009 e nem por isso deixou de fazer uma ótima Copa.

Vamos aguardar e torcer!

Abraço a todos e até a próxima.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

LOCO ABREU






Os torcedores do Botafogo preparam uma recepção muito calorosa no retorno do seu atual ídolo - EL LOCO ABREU.
Herói da conquista do título carioca de 2010, Abreu também foi peça importantíssima, para a Seleção do Uruguai, nas eliminatórias da Copa do Mundo 2010, dando grande contribuição. E na Copa da África fez mais uma "loucura" ao bater aquele penalti igualzinho ao que calou a torcida do flamengo no maraca.

Outro gringo que fez muito sucesso no Gloriso foi o Argentino Ficher, mais conhecido como "EL LOBO"( foto abaixo ). Chegou ao Fogão no início dos anos 70 e participou da goleada histórica do Botafogo em cima do flamengo, pelo placar de 6 a zero, no dia do aniversário do time da gávea em 1972.




É isso aí! Os ídolos devem ser preservados e homenageados.

Até a próxima!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

SELEÇÃO DO BRASIL




Bons tempos quando o elenco da seleção brasileira tinha jogadores que atuavam nos clubes do Brasil. Era gostoso ver os jogos com atletas do Botafogo, Flamengo, fluminense, Vasco, Atlético-MG, Cruzeiro, São Paulo, Corinthians ... A torcida era mais entusiasmada e o selecionado mais entrosado.

No jogo decisivo de 1958 o Brasil jogou com 4 atletas do Botafogo (Nílton Santos, Garrincha, Didi e Zagallo. Na decisão de 1962 foram 5 (Nílton Santos, Garrincha, Didi, Amarildo e Zagallo. Em 1970 a linha ofensiva foi convocada (Rogério, Gérson, Roberto Miranda, Jairzinho e Paulo César Caju). Em 1994 o Flamengo cedeu para o time titular 4 jogadores (Jorginho, Aldair, Leonardo e Zinho). Não me recordo se ainda eram jogadores do Flamengo, mas com certeza jogaram juntos.

Hoje, na concepção da CBF e dos técnicos convidados para dirigir a seleção brasileira, os jogadores não podem ser novos e precisam estar jogando fora do País. Que palhaçada é essa! Por isso não levamos o Ganso, Neymar, Ernandes do São Paulo o Fred do Fluminense, o goleiro Víctor do Grêmio ... A seleção da Alemanha levou uma garotada tendo 7 jogadores do Bayern de Munique; além do goleiro Manuel NEUER que está se destacando como um dos melhores da Copa 2010, foi convocado pela 1ª vez no segundo semestre de 2009. Se fosse no Brasil não estaria entre os 23 porque não tinha experiência com a "amarelinha".

E a Espanha que, diferente do Brasil e igual a Alemanha, também optou pelo entrosamento e convocou 7 jogadores do Barcelona.

Em resumo, estou torcendo para o Uruguai. Aliás, acho que já torcia desde o início do torneio, pois é a seleção que tem jogador do meu time (Loco Abreu). Quem gosta de futebol e do "time do coração" acostumou a torcer pela Seleção Brasileira que sempre convocou jogadores que atuavam nos clubes do Brasil. Portanto, enquanto os dirigentes da CBF continuarem com interesses comerciais em detrimento aos interesses dos torcedores brasileiros, ficaremos a ver navios sem jogadores com quem nos identifcamos.

AVANTE CELESTE OLÍMPICA.

Até a próxima.