sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Qual a origem do termo "gandula" no futebol?





          De acordo com o livro 'Oh dúvida cruel', o termo "gandula", usado para denominar o pegador de bolas em um estádio de futebol, originou-se do nome de um jogador argentino de futebol que veio para o Brasil nos anos 40 contratado pelo Vasco da Gama.
          Bernardo Gandulla(foto) jamais era escalado, ficava então assistindo a treinos e jogos, e não havia uma só bola que escapasse do campo, que Gandulla não corresse para buscá-la, devolvendo educadamente para os colegas titulares. Daí a origem do nome "gandula" para os garotos, e agora também meninas, que repõem a bola nos estádios. 
 
          Esta é a resposta a pergunta do Jornal NO GIRO DA BOLA com Nei Medina, edição fevereiro/2016.

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Máster do Flamengo em São João: torcedor terá que aguardar mais um pouco.



Inicialmente marcado para 27 de dezembro de 2015, a partida entre Amigos de Nabor Andrade e Flamengo-RJ, categoria máster, foi adiado para dia 31 de janeiro de 2016. Conversando com Nabor, ele me disse que a transferência da data foi uma  solicitação dos Cariocas. Eu não perguntei o motivo, mas, acredito que a mudança tenha ocorrido devido às festividades de final do ano.
            Com relação ao novo adiamento, o fato se deu porque três dias antes da data marcada para o evento, choveu forte em toda região, inclusive em São João. Um dos rios que corta nossa cidade transbordou. Detalhe: seu curso passa a poucos metros do  Estádio Heleno de Freitas, o gramado, e todo o seu entorno, ficou completamente alagado. Fato este que impossibilitou o tão esperado confronto.
           Nabor disse o seguinte: “Não tinha a mínima condição de realizar a partida. Já entrei em contato com eles(Flamengo), inclusive enviei vídeos mostrando as condições do gramado. Eles concordaram com mais um adiamento. Mesmo porque, em dezembro, eles precisaram mudar a data e nós concordamos.”
            Perguntei ao Nabor se já existe uma nova data para a realização deste jogo. Ele respondeu: “É bem provável que seja na última semana de fevereiro ou na primeira de março. Mas, antes, preciso ver a agenda do Flamengo para confirmar nova data.”
           Vamos aguardar e torcer para que dê tudo certo, pois, não será uma festa somente para os torcedores do Flamengo, e sim, também, para todos que sempre curtiram o bom futebol. Visto que, acompanhar de perto Rondinelli (o “deus” da raça), Adílio (o “neguinho” bom de molejo), Júlio César (urigueller) entre outros, será muito bom.
           E por falar em Rondinelli, qual rubro negro, com mais de 50 anos, esqueceria aquele 03 de dezembro de 1978 quando o zagueiro marcou o gol do título Carioca? Comandado por Zico, o Fla enfrentava o arqui-rival Vasco, no último jogo do Campeonato Carioca. Era, na verdade, o último jogo do segundo turno do torneio. Mas, como o time da Gávea havia vencido o primeiro turno, a Taça Guanabara, se vencesse o rival neste jogo seria campeão do segundo turno e sairia com o título estadual do Maracanã. Foi o que aconteceu. Os vascaínos precisavam apenas de um empate, para conquistar o returno e  adiar a decisão do Campeonato Carioca para a outra semana, contra o mesmo Flamengo. Mas, aos 41 do segundo tempo, ninguém, nem a torcida do Fla, reparou quando Rondinelli deixou o seu posto de sentinela na zaga rubro negra e caminhou em direção à área do Vasco no momento exato em que Zico ia bater o escanteio. O Galo levantou a bola na área e o Deus da Raça penetrou, subiu mais que os zagueiros vascaínos e  cabeceou violentamente para a meta de Leão. Um gol impressionante, inesquecível e decisivo: Flamengo 1×0 Vasco. Ainda faltavam quatro minutos de jogo, mas os cruzmaltinos não teriam forças para reagir. Foi só aguardar o juiz apitar o final da partida para o carnaval rubro negro começar no gramado, no vestiário e pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro. O Flamengo era, mais uma vez, campeão estadual de futebol. E o melhor: com gol no finalzinho, e em cima do Vasco. 

ASSISTA AO GOL DE RONDINELLI

 
 
Abraço a todos e até apróxima se Deus quiser!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Sinônimo de goleiro : Welington Itaborahy



     Nosso entrevistado tem uma história futebolística fantástica. Welington Itaborahy é lembrado pela maioria dos entrevistados como o melhor goleiro de todos os tempos de nosso futebol e região.
        Títulos marcantes como o de campeão regional com o Asa Branca em  1977, e o inédito campeonato da Zona da Mata pelo Operário Futebol Clube em 1978, o Verdão do bairro São José, são destaques de sua carreira.  Welington, que não revelou o ano, nasceu no dia 29 de maio e começou sua carreira no infantil do Mangueira Futebol Clube.
“ Comecei pela ponta direita e no primeiro treino passei pro gol. Além do Mangueira, joguei no Botafogo, Operário, Asa Branca, Tupinambás e Sport de Juiz de Fora, Aymorés de Ubá. Também, estive por um período no América do Rio. Defendi seleções de Juiz de Fora, Ubá e São João Nepomuceno. Joguei em times de Lima Duarte, São João do Avaí no Paraná, Rio Branco de Vitória no Espírito Santo. Recebi convites do Flamengo através do Bria, do Palmeiras vindo do ponta Júlio Botelho e de Mário Travaline, etc...”


Nicola, Elísio, Paulo Afonso, Tizil, Doval(JF) e Welington.
Santana(JF), Duda, Miltinho(JF), Bengó e Bolotinha.
-  Quantos campeonatos disputou e quantos títulos conquistou?
Participei de vários campeonatos. Ganhei diversos troféus, e sempre fui o menos vazado. Também, sempre fui titular das seleções correspondentes.        
-  Antes da partidas, qual atacante tirava-lhe o sono?
Getúlio do Leopoldina de Bicas.
Antonio Pimenta, Capela, Wellington, I Cestaro, Elísio, Zé Américo e Netinho.
Agachados:Edinho Cubu, Márcio Américo, Piorra, Tumbuta e Paulo Pimentel

-  Hoje foi meu dia! Qual partida você terminou com este sentimento?
Eu treinava muito pra que todas as partidas fossem bem jogadas. Então, foram diversas partidas que saí de campo com esta sensação. Mas, Operário e Ribeiro Junqueira de Leopoldina, pela semifinal do campeonato da Zona da Mata de 1978, foi demais. Três emissoras de rádio transmitindo o jogo. Os locutores, a todo momento gritavam gol quando o Ribeiro chutava contra minha meta. Mas, quando percebiam a bola estava em minhas mãos. Este jogo foi sensacional!
Tem outras partidas: Contra o Flamengo do Rio, Mangueira e Botafogo nos velhos tempos, foi 1x0 para o Botafogo e peguei muito. Aymorés de Ubá e Palmerense de Ponte Nova, entre outros.

Ademir”da Lalá”, Deco, Bote, Lema, Maurício e Welington.
Agachados: Anginho, Zé Carlos, Weber,  Zim “caeira" e César.
-  Qual a partida mais importante que você jogou?
Não acredito que tenha sido a partida mais importante, mas,  com certeza, foi a maior defesa que fiz em toda minha carreira. Foi num Mangueira e Botafogo que mencionei na resposta anterior.Eu jogava pelo Botafogo e a partida aconteceu no campo do Mangueira(hoje Parque de Exposição).
      Nós vencíamos por 1x0 e aos 43 minutos do segundo tempo aconteceu uma falta, a favor do Mangueira, na meia lua da nossa área.
      O Eustáquio, que era um excelente batedor de faltas, pegou a bola. Eu posicionei a barreira e fui para o outro canto, bem encostado na trave. Atrás do gol, dando como certo o empate, estavam o meu primo Oscar Itaborahy, Élton Nascimento e o Nequinha(irmão do Lelé “gordo”). O Eustáquio colocou a bola por cima da barreira e ela foi morrer no canto oposto onde eu estava. Como eu estava encostadinho na outra trave, até parece que eu a utilizei para me impulsionar no vôo. E quando eles já gritavam gol, eu meio que igual a um gato, fiz a defesa com a pontinha de um dos dedos da mão esquerda e ela foi pra fora. Que defesa!


Netinho, Elísio, I Cestaro, Valtinho Pinton, Welington, Antônio Pimenta, Luiz Gonçalves e Marota.
Agachados: Zezé “do Pelúcio”, Márco Américo, Márcio Welson, ñ identifiquei, Aécio”Batuta”, Paulinho Pimentel e Zé Américo.

- Uma passagem curiosa ou engraçada.
A mais engraçada foi um pênalti que peguei de costa contra um time do Rio de Janeiro.
-  Qual foi seu melhor técnico?
Geraldo Magela Tavares (Tupinambás e Seleção de Juiz de Fora)
 -  E o melhor dirigente?
José Carlos Santiago.
José Carlos Louzada, Welington, Tizil, Quinzinho, Arruda e Zé Heleno.
Hemílson Sanábio, Totonho”maraca”, Piei, Piabinha, Emílio Vitói e Carlinhos”babado”.

-  Qual o melhor jogador de sua época?
Nevito do Esporte de Bicas e Breno do 15 de Novembro de Rio Novo. Dois monstros do futebol.
-  Escale um ou mais times com os melhores jogadores com quem               você atuou. Pode “misturar” os que você jogou contra e a favor.
Escalar uma seleção e muito difícil, mas vamos lá: Eu, Cacau, I Cestaro, Zé Acrísio e Valtinho Pinton; Capelinha, Piorra, Tumbuta e Marcinho Welson; Samarone e Zinho Caieira.

ASSISTA A ESTE VÍDEO DO WELINGTON
                 


Agradeço ao amigo Welington e aproveito para me desculpar, pois minha limitação “jornalística” não permitiu traduzir o que realmente foi a sua vitoriosa trajetória.

Abraço a todos e até a próxima se Deus quiser.